Categorias
Histórias & Fábulas

O vinho muito velho

Era uma vez um homem rico que estava muito orgulhoso da sua adega e dos vinhos que ali guardava.

Tinha uma vasilha de antiga colheita, reservada para alguma ocasião que só ele sabia qual era.

O governador do estado foi visitá-lo. O homem pôs-se a pensar e disse:
— Esta vasilha não se abrirá para um simples governador.

Foi visitá-lo o bispo da diocese. Mas o homem disse:
— Não. Não abrirei a vasilha. Ele não saberá apreciar o seu valor, nem o aroma vai chegar ao seu nariz.

O príncipe do reino veio jantar com ele. Mas o homem pensou:
— É um vinho demasiado régio para um simples príncipe.

Até que no dia em que se casou o sobrinho, disse com os seus botões:
— Não. Aquela vasilha não é para ser oferecida a estes hóspedes.

Os anos foram passando, o homem morreu de velho e foi enterrado, como qualquer semente ou bolota.

No dia do enterro, a antiga vasilha, de mistura com outros barris de vinho, foi tirada da adega e repartida pelos camponeses dos arredores, sem que nenhum deles desse pela antiguidade da bebida.

Para eles, tudo o que se deita no copo é simplesmente vinho.

Khalil Gibran in “O Profeta”